Minhas tardes de folga, meu vaso de ráfia e minhas almofadas pintadas

Hoje tive a tarde foi de folga, então resolvi dá um jeitinho no vaso de ráfia que tenho na sala. O vaso sem graça já era, agora tenho um vaso bem vestido fazendo bonito pertinho do sofá. Usei simplesmente duas peças de um jogo americano de bambu que comprei há uns dois anos. Cortei na largura pra dar certinho e coloquei no vaso, colando com fita dupla face (uma peça na outra, não direto no vaso). Tentei usar cola quente, mas não funcionou. Então, não ficou lindo? Aproveita  e dá uma olhadinha nas almofadas que fiz em outra tarde folga. A de texto pintado foi feita com estêncil do alfabeto e caneta de tecido e inspirada nessa aqui. A de coração foi feita em ponto cruz pintado com pincel, tendo marcado os quadrinhos com lápis. A inspiração está aqui.

DSCF2624[1]

DSCF2778[1]

DSCF2782[1]

Bordando na parede

Faz tempo que publiquei aqui no blog a técnica da holandesa Eline Pellinkhof, que transferiu para a parede um motivo em ponto cruz. Então, chegou um feriado legal e resolvi fazer aqui em casa. A parede escolhida foi a do corredor que é bem largo e serve de biblioteca. Procurei um risco de flores na internet que fosse bem colorido, marquei com lápis e régua os quadradinhos de 2 cm na parede, selecionei as tintas (usei de tecido, misturando as cores que tinha pra conseguir novas tonalidades), os pincéis (Condor nº 424) e comecei a bordar. Deve ter demorado umas três horas e meia, contanto o tempo que levei riscando a parede e apagando as marcas de lápis depois. Sem meu filho Jota demoraria o dobro do tempo. A tinta não pode estar grossa, senão os xizinhos ficam defeituosos. Eu encontrei o meio do motivo, depois o meio dos riscos na parede e aí ficou fácil. Não vou dizer que não errei nenhum ponto, porque devo ter feito um ponto a mais ou a menos em algum momento, mas o resultado foi maravilhoso, exatamente o que eu esperava.

Gostei tanto, que já estou imaginando outra aventura dessa para outro feriado.

 

O risco que usei é esse: