Pirâmide alimentar

A pirâmide alimentar é uma referência para se escolher alimentos e quantidades que devem ser consumidos diariamente. Esse prato com forma triangular que eu trouxe do Blog Rexona, foi criado pelo designer Li Jyanie, a partir do conceito da pirâmide alimentar e é dividido em três partes para facilitar o balanceamento da refeição.

A pirâmide alimentar a seguir mostra com detalhes as porções adequadas de cada grupo de alimento que uma pessoa precisa, dependendo, claro, de fatores como o peso, a idade, o sexo, a altura etc. Fonte: Gastronomia Brasil.

Outra pirâmide é essa, desenvolvida a partir de faixas de diferentes cores e largura que indicam a proporção que deve ser consumida de cada grupo de alimento. Fonte: Nestlé.

 

Banana nota 10!

 

Vi ontem no G1: “Escola encomenda bananas para ajudar alunos em prova”

Uma escola na região de Hereford, na Grã-Bretanha, encomendou centenas de bananas para melhorar a performance dos alunos durante os exames de GCSE (Certificado Geral de Educação Secundária, na sigla em inglês) – o principal exame acadêmico feito pelos alunos que concluem o ensino secundário.

Isso porque a banana, chamada de Rainha das Frutas, é rica em potássio, mineral que ajuda a melhorar a concentração. Além disso, o potássio regula a pressão arterial. A banana é rica também em ferro, que estimula a produção de hemoglogina e ajuda em casos de anemia; em fibras, que normalizam as funções intestinais; em açúcares naturais (sacarose, glicose e frutose) que, combinados com as fibras, elevam instantaneamente e substancialmente o nível de energia do corpo. A banana é a fruta nº 1 dos atletas. Comer uma banana entre as refeições ajuda a manter elevados os níveis de açúcar no sangue, combatendo o cansaço. A vitamina B presente na banana acalma o sistema nervoso, combate a anemia e as doenças cardiovasculares. A fruta é excelente para as que estão embarazadas. Para as que têm problemas com a TPM, a banana possui vitamina B, que regula os níveis de glicose no sangue, melhorando o humor.  Até a casca da banana faz bem: esfregar a parte de dentro da casca da banana no local onde um inseto picou ajuda a acalmar a irritação.

Segundo o site Acessa.com:

  • O valor alimentício da banana reside, principalmente, no seu teor em hidratos de carbono, que vai de 20,80% na banana São Tomé, a 36,80% na banana ouro.
  • Entre os sais minerais contidos na banana destacam-se: o potássio, o sódio, o fósforo, o cloro, o magnésio, o enxofre, o silício, o cálcio.
  • Na banana contém as vitaminas A, B1, B2, B5, (niacina) e C, além de algumas outras, menos importantes para o nosso organismo, segundo o que está assente até hoje. A vitamina A se encontra na proporção de 200 a 300 U.l. por 100 g, nas diversas variedades. A taxa das vitaminas B1, B2 e niacina são pequenas. É bem variado o teor em vitamina C, de um tipo de banana para outro. Assim, em 100 gramas, a d’água possui 6,4 mg; a maçã, 12,7 mg; a figo, 15,3 mg; a prata, 17,3 mg; a ouro, 9,4 mg.

Eu, que trabalho muito, necessito repor as energias constantemente. Comer bananas me ajuda a recuperar as forças e quando passo algum tempo sem comê-las me sinto tonta. Sem falar que é uma delícia. Criei até uma receitinha com bananas maduras que é nota 10:

Numa frigideira, coloque cinco colheres (sopa) de açúcar mascavo, cinco bananas prata cortadas em rodelas finas e uma colher (sobremesa) de margarina. Ponha no fogo e deixe o açúcar caramelar, virando com cuidado. As bananas vão ficar douradinhas. Coma quente. Cada 100 gramas de banana possui cerca de 90 calorias.

Que Deus maravilhoso! Quem poderia criar um alimento tão completo como a maravilhosa banana? Me diga, quem?

Fontes: Nestlé e Acessa.com

Proibido comer com os olhos

Ir a um restaurante e comer algo que não se sabe o quê. Como assim? Trata-se de uma nova tendência lançada nos Estados Unidos, o Dark Dinings Projects.  As pessoas fazem uma reserva para o jantar, relatando se têm alergia a algum alimento e, no dia do evento, usam vendas nos olhos enquanto comem o que lhes é servido.  O objetivo de desfrutar a comida apenas com o olfato e com o paladar, é resgatar a arte de comer. Assim, o momento é de total concentração e deleite. Imagine o momento! A venda só é retirada na hora de pagar a conta, que deve ser bem visível.   Via: Soitu.es

A preocupação de comer com prazer é também do movimento Slow Food, que existe há quase vinte anos, inclusive no Brasil, e busca resgatar o valor dos alimentos, que, devido ao ritmo frenético da vida urbana, se encontra esquecido. Para o grupo, considerar a relação do alimento com a história, a cultura e o ambiente que lhe deu origem, significa resgatar o prazer de comer bem e respeitar a tradição das culinárias e a diversidade de sabores.  O Slow Food mantém um catálogo mundial de alimentos, a Arca do Gosto, que “identifica, localiza, descreve e divulga sabores quase esquecidos de produtos ameaçados de extinção, mas ainda vivos, com potenciais produtivos e comerciais reais.”

Abaixo, alguns produtos brasileiros que estão no catálogo:

Farinha de Batata Doce Krahô (Arquivo Slow Food)

A farinha de batata doce, produzida pelos índios Krahô no nordeste do estado de Tocantins, é considerada pelos antropólogos uma herança cultural extraordinária, com técnicas tradicionais de produção. A batata doce é um produto ligado a vários rituais Krahô, e a qualidade da farinha, do ponto de vista organoléptico, é excelente. Além de seu valor simbólico e gastronômico, hoje em dia é muito difícil encontrar as variedades de batata doce, e a produção da farinha está diminuindo, porque as técnicas de produção são conhecidas apenas pelos índios mais idosos.Palmito Juçara (Arquivo Slow Food)

Palmito de Juçara – A Juçara cresce no coração da mata, requer pouca luz solar e não precisa de fertilizantes ou outros tratamentos. A árvore tem um tronco reto, fino, branco-acinzentado, que pode atingir uma altura de até 15 metros. A árvore deve ter pelo menos oito a dez anos antes do miolo ser removido, cortando-se a parte superior do tronco; a casca é removida com uma faca. Duas vezes por ano as sementes são colhidas, geralmente por crianças, que podem escalar o tronco da palmeira com facilidade. Ao chegar no topo da árvore, elas arrancam os galhos largos de bagas roxas, para expor o tronco e remover o miolo.

Quanta riqueza de sabores em nossa cultura! Que apesar da correria do dia-a-dia, possamos parar para apreciar de fato o alimento que vamos consumir. Certamente muitas das doenças que adquirimos provém daquilo que comemos ou da forma como o fazemos. 

Atualização: juçara é como é conhecido o açaí em alguns lugares do Brasil.

Vi no Dicunforça.

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

A fome no Brasil e no mundo

Hoje, por causa do medo de uma grande catástrofe, natural ou causada pelo homem, o mundo está preocupado se no futuro haverá o que comer. Com a crise mundial dos alimentos, essa preocupação aumenta porque a previsão é que, em curto prazo, milhões padecerão de fome. Mas a fome não é um problema de agora, ela sempre existiu na Terra e sempre existirá, porque, além de outras coisas, há abismos sociais que garantem isso.  Enquanto muitos morrem de fome, outros têm além do que precisam para viver bem. Quanto gasta em alimentação uma família típica da Alemanha, dos Estados Unidos, do Equador ou uma família de refugiados do Chade, na África, durante uma semana?  Veja as fotos e as informações abaixo:

Família da Alemanha – 375,39 Euros (500,07 dólares) em uma semana

Família dos Estados Unidos  341,98 dolares em uma semana

Famíla do Equador – 31,55 dólares em uma semana

Família do Chade – 685 francos (1,23 dólar) em uma semana

Imagens e informações encontradas em www.michelsonborges.com.

Que contraste! Mas não precisamos viajar tão longe para encontrar tamanha desigualdade. Temos tudo isso aqui no Brasil, que apesar de ser a 14ª maior economia do mundo, tem elevadíssima concentração de renda, ou seja, os ricos ficam cada vez mais ricos e os pobres…

 

101 sabores assustadores de sorvetes

Eu achei que o sorvete mais exótico que existisse fosse o sorvete de pequi que um dia provei aqui na minha cidade, mas, depois que vi os sorvetes bizarros que o Marco mostrou no Bocaberta, descobri que o de pequi é até comunzinho. Vejamos alguns:

Peixe, polvo, língua de boi, caranguejo, camarão, berinjela, cacto e enguia – esses são só alguns sabores esquisitos, mas você precisa conhecer todos 101 sabores assustadores de sorvete ao redor do mundo. Então, quem aceitaria tomar um desses? Quem sabe uma grávida que está desejando algo bem exótico? No cardápio você pode encontrar também esses sabores: bife frito de galinha, pimenta, bacon, alho, alga, soja, viagra…

 

Legumes exóticos

Outro dia falei aqui sobre como pode ser saudável uma alimentação baseada em vegetais de cores diferentes, a dieta natural das cores. Então, fiquei feliz ao ver o couve-flor colorido, que, segundo os cientistas europeus que o desenvolveram, não foi modificado geneticamente, mas resultado de seleção natural. Quando será que vamos encotrar essa maravilha exótica nos supermercados?

Vi no Drops.

 romanesco1.jpg

Outro legume exótico e bastante curioso é o romanesco. Pra saber mais sobre ele, visite o Saber é Bom Demais.

Agora uma galeria de vegetais híbridos:

vegetaisexoticos.jpg

Milho vermelho, arroz preto, cenouras coloridas, maracujá roxo e abóbora verde-e-amarela. Esses vegetais são resultado do cruzamento de variedades de uma mesma planta, que além de aumentar a produtividade na lavoura, torna os alimentos mais atraentes.

Via Veja On-line.