Minha lembrancinha de papel costurado

Essa foi a lembrança de páscoa que preparei para as professoras da escola em que trabalho como pedagoga. Eu queria que fosse algo bem criativo, com uma mensagem que refletisse o verdadeiro sentido desta data e que não faltasse o chocolatinho. Então lembrei dessa lembrança aqui. Como não sei costurar em círculo, fiz costura reta. Usei papel craft (30 X 15) e a caneta de ponta porosa, da Faber Castell. E é claro, as pastilhas de chocolate confeitadas.

Esse é meu primeiro PAP, gente!! Dá um pouquinho de trabalho, mas o resultado compensa .

Meu desejo é que todos pensem no que escrevi na minha lembrança: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito para que todo aquele que nEle crê, não pereça, mas tenha a vida eterna” João 3:16, pois páscoa relembra o sacrifício do Filho de Deus para que tivéssemos vida. Deus abençoe a todos!

pascoazinha

Rosas

Pra começar bem a semana:

O mundo, embora caído, não é todo tristeza e miséria. Na própria natureza há mensagens de esperança e conforto. Há flores sobre os cardos, e os espinhos acham-se cobertos de rosas. Ellen White

50 maneiras de desperdiçar a vida

Todos nós conhecemos pessoas que parecem ter nascido com muita sorte: são felizes, riem muito, tem bom humor, não têm dívidas, são cheias de amigos… Algumas dessas pessoas nem tem muito dinheiro ou não são lindas de morrer. Qual o segredo desse bem-estar? As escolhas que fazemos certamente determinam se somos felizes ou tristes, se sabemos a proveitar ou disperdiçamos a vida maravilhosa que Deus nos deu. Talvez muitos de nós pratiquemos algumas dessas 50 maneiras de disperdiçar a vida, encontradas no Marc and Angel Hack Life. Reflita.

  1. Gaste o tempo lamentando o passado e sinta pena de si mesmo.
  2. Se queixe constantemente de problemas e não faça nada para resolvê-los.
  3. Siga o caminho mais fácil e desista quando as coisas ficarem difíceis.
  4. Ignore a sua paixão e escolha o dinheiro.
  5. Acredite que seu estilo de vida depende do seu próximo salário.
  6. Gaste mais do que você ganha e acumule muitas dívidas financeiras.
  7. Tente controlar tudo e depois se preocupe com as coisas que você não pode controlar.
  8. Se concentre no que você não quer que aconteça.
  9. Tenha medo das coisas que você não entende completamente.
  10. Deixe outras pessoas tomarem decisões por você. Não decida sobre qualquer coisa, nunca.
  11. Faça uma bola de neve dos pequenos problemas, transformando-os em grandes problemas.
  12. Tenha ciúmes de todos.
  13. Nunca perdoe ninguém.
  14. Nunca deixe alguém ter mais razão do que você.
  15. Busque aprovação das pessoas antes de você se considerar bom o suficiente.
  16. Certifique-se de que tudo o que você faz impressiona alguém.
  17. Minta para si mesmo e para aqueles ao seu redor e faça outros mentirem para você.
  18. Continue fazendo a mesma coisa uma e outra vez até o dia que você morrer.
  19. Nunca termine o que começou.
  20. Permaneça no mesmo lugar para sempre. Nunca viaje.
  21. Compare-se desfavoravelmente com aqueles que você sente que são mais bem sucedidos.
  22. Deprecie-se e saia com outras pessoas que subestimam você.
  23. Nunca aprenda nada de novo.
  24. Nunca assuma a responsabilidade por suas próprias ações. Culpe todos ao seu redor.
  25. Não deixe ninguém te ajudar.
  26. Não confie em ninguém.
  27. Faça tudo de uma vez.
  28. Preencha todos os momentos de sua vida com compromissos.
  29. Não ajude os outros a menos que você precise. Faça somente as coisas que o beneficiam diretamente.
  30. Pense em todas as coisas que você não tem e franza a testa.
  31. Nunca faça exercícios.  Só coma porcarias e frituras. Deixe sua saúde podre.
  32. Não diga o que você quer dizer. Não explique o que você diz.
  33. Nunca conte a ninguém como você se sente ou o que você está pensando.
  34. Nunca diga: “eu sinto muito”. Nunca diga “eu te amo”.
  35. Se envolva em problemas de outras pessoas e torne-os seus próprios.
  36. Sempre coloque suas próprias necessidades em segundo plano.
  37. Faça os outros se sentirem mal sobre si mesmos.
  38. Assista televisão durante várias horas todos os dias.
  39. Beba muito álcool.
  40. Não se divirta, apenas trabalhe.
  41. Deixe de praticar seus hobbies.
  42. Não valorize seu relacionamento íntimo.
  43. Leve todos muito a sério e tudo pro lado pessoal.
  44. Lembre-se dos insultos, esqueça os elogios.
  45. Não siga o plano. Aguarde sempre até o último minuto.
  46. Embarace todos.
  47. Sempre desconsidere as opiniões e sugestões de outras pessoas.
  48. Sonhe com seus objetivos futuros e nunca aja para alcançá-los.
  49. Tenha medo de mudar e resista às mudanças.
  50. Trabalhe duro, faça o seu melhor, e então condene-se por não alcançar a perfeição.

Se você se sente culpado de alguns dos pontos acima, lembre-se, não importa quanto tempo você viajou na direção errada,você sempre tem a opção de voltar.

Colhemos o que plantamos

É na aparência e não na realidade que o mal é bem-sucedido. O menino vadio que foge da escola, o jovem preguiçoso em seus estudos, o balconista ou aprendiz que deixa de servir aos interesses do seu patrão, o homem que em qualquer negócio ou profissão é infiel para com suas mais altas responsabilidades, pode lisonjear-se de que esteja a adquirir vantagens enquanto o mal estiver oculto. De fato, nada ganha com isto, ante se está defraudando a si próprio. A ceifa da vida é o caráter, e é este que determina o destino tanto para esta como para a vida futura.

A ceifa é uma reprodução das sementes semeadas. Cada semente produz fruto ‘segundo a sua espécie’. Assim é com os traços de caráter que acariciamos. Egoísmo, amor próprio, presunção, condescendência própria, reproduzem-se, e o fim é miséria e ruína. ‘O que semeia na carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna.’ Gálatas 6:8. Amor, simpatia, bondade, produzem frutos de bênçãos, colheita esta que é imperecível.

Do livro Educação, de Ellen White.

Altos e baixos

Muitas vezes ficamos aflitos, mas não somos derrotados. Algumas vezes ficamos em dúvida, mas nunca ficamos desesperados. 2Coríntios 4:8

A gangorra é um brinquedo bem parecido com a vida da gente. Um momento, você está lá embaixo; noutro momento, está lá em cima. Mas nem adianta ficar muito orgulhoso, porque vai lá pra baixo rapidinho.

Em nossa vida, os dias bons não duram para sempre. Mesmo sabendo disso, quando tudo vai bem, não nos lebramos que dias maus podem vir. Assim, não nos preparamos para eles. O que acontece quando você falha? Você desiste ou tenta novamente? Não desanime. Aprenda com seus erros e saiba que é preciso tempo para fazer as coisas como elas devem ser feitas. Peça a ajuda de Deus e você poderá permanecer na gangorra da vida, com seus altos e baixos, e ainda assim não desanimar e ser feliz.

Extaído do Devocional das Crianças Conversinhas com Deus.

Oito vacas por uma noiva

Li essa história há muitos anos, acho que há mais de 25, numa Revista Seleções antiga que tínhamos em casa. Marcou minha vida e há muito tempo procurava pra compartilhar. Ela fala do valor que um homem dá a uma mulher e de como isso transforma-a por dentro e por fora, enchendo a vida dessa mulher de alegria, felicidade, bem-estar… Se um homem faz isso por uma mulher, ele não seria feliz também? Leia com atenção:

Um dia, meti-me num barco e fui visitar Kiniwata, uma ilha no Pacífico. Levava comigo um bloco de notas, que, no regresso, vinha recheado de apontamentos sobre a fauna e a flora, os costume e os trajes indígenas. Mas de todas as anotações que fiz, a única que ainda hoje me interessa é a que diz: “Johnny Lingo deu oito vacas ao pai de Sarita.” Podia rasgá-la pois sei-a de cor e salteada. A ponto de saltar-me de imediato à memória sempre que vejo uma mulher depreciar o marido ou uma esposa ficar-se perante o desprezo do marido. A essas mulheres gostaria de poder dizer: “Era bom que soubessem porque é que Johnny Lingo pagou oito vacas pela mulher.” Johnny Lingo não era bem o nome dele. Mas era assim que lhe chamava Shenkin, o dono da pensão de Kiniwata. Shenkin era de Chicago e tinha a mania de americanizar os nomes dos ilhéus. Mas, a propósito das mais diversas coisas, muita gente referia, invariavelmente, o nome de Johnny. Se eu quisesse passar uns dias na ilha de Nurabandi, ali ao lado, Johnny Lingo era a pessoa para me hospedar em sua casa. Se quisesse pescar, só ele saberia indicar-me o local para o peixe morder a isca. Se era pérolas que procurava, ele me indicaria onde fazer uma boa compra. Toda a gente em Kiniwata tinha por Johnny Lingo uma grande consideração. No entanto, sempre que falavam dele, não podiam deixar de sorrir com um sorriso ligeiramente trocista. – Pergunte por Johnny Lingo, peça-lhe que a ajude a encontrar o que procura e deixe que seja ele a discutir o preço – aconselhou Shenkin. – Ele tem jeito para o negócio. – Johnny Lingo! – repetiu com uma gargalhada um rapaz sentado ali perto. – Mas afinal que é que se passa? – perguntei. – Toda a gente me diz para procurar Johnny Lingo e depois desatam a rir. Onde é que está a piada? – Oh!, as pessoas gostam de rir – disse Shenkin, encolhendo os ombros. – Johnny é o rapaz mais esperto e mais forte das ilhas. E, para a idade que tem, o mais rico. – Mas se ele tem tudo isso, qual é o motivo da risota? – É por causa de uma coisa. Há cinco meses, no festival do Outono, Johnny veio a Kiniwata e arranjou uma mulher. Pagou oito vacas ao pai dela! Eu já conhecia suficientemente os costumes da ilha para não ficar espantada. Duas ou três vacas davam para comprar uma mulher assim, assim, quatro ou cinco para uma que se visse. – Meu Deus! – disse eu. – Oito vacas! Ela deve ser de se lhe tirar o chapéu. – Não é propriamente feia – admitiu ele sorrindo. – Com boa vontade, o mais que se pode dizer é que Sarita é feiosa. O pai, Sam Karoo, tinha receio que ela ficasse solteira. – E conseguiu que lhe dessem oito vacas por ela? Não é possível! – Nunca ninguém pagou isso. – E ainda dizem que a mulher de Johnny é feiosa? – Eu disse que, com boa vontade, podemos dizer que é feiosa. Ela era escanzelada. Caminhava de ombros arqueados e de cabeça inclinada. Tinha medo da própria sombra. – Bem – disse eu – isso só prova que o amor não tem preço. – É bem verdade – concordou o homem. – E é por isso que os aldeões se riem quando se fala de Johnny. Sentem-se vingados por o negociante mais astuto das ilhas ter sido enganado pelo velho e simplório Sam Karoo. – Enganado, como? – Ninguém sabe e todos se interrogam. Os primos de Sam aconselharam-no a pedir três vacas e. depois, ficar-se por duas até ter a certeza de que Johnny lhe pagaria apenas uma. Então Johnny foi ter com Sam Karoo e disse: “Pai de Sarita, ofereço-lhe oito vacas pela sua filha.” Oito vacas – murmurei. – Gostava de conhecer esse tal Johnny Lingo. Eu queria comprar peixe. E também pérolas. Por isso, na tarde do dia seguinte fui até Nurabandi. Reparei que, quando perguntava o caminho para a casa de Johnny, o seu nome não provocava sorrisos maliciosos nos habitantes da ilha. E quando conheci o jovem, esbelto e formal, que, com a maior educação, me convidou para sua casa, fiquei contente por ele ser respeitado pela gente da sua ilha. Sentámo-nos e conversamos. Então ele perguntou: – Vem de Kiniwata? – Venho. – Falam de mim lá na ilha? – Dizem que só você pode ajudar-me a encontrar tudo o que eu quiser. Ele sorriu delicadamente. – A minha mulher é de Kiniwata. – Eu sei. – Eles falam dela? – Às vezes. – E que é que dizem? – Bom, apenas… – A pergunta apanhou-me desprevenida. – Contaram-me que se casaram por alturas do festival. – Mais nada? A curva das suas sobrancelhas diziam-me que ele sabia que tinha de haver mais. – Também dizem que o casamento foi acordado em oito vacas. – Fiz uma pausa. – Ainda hoje não sabem porquê. – Eles dizem isso? – Os seus olhos iluminaram-se de prazer. – Toda a gente em Kiniwata sabe das oito vacas? Fiz que sim com a cabeça. – E em Nurabandi também sabem – disse, inchando o peito de satisfação. – Daqui para a frente, sempre que se falar de acordos nupciais, as pessoas hão de lembrar-se de que Johnny Lingo pagou oito vacas por Sarita. Então é essa a resposta, pensei: vaidade. Foi então que a vi. Ela entrou na sala para pôr flores na mesa. Demorou-se um momento para sorrir ao jovem que estava ao meu lado. E voltou a sair, apressada. Era a mulher mais bela que me fora dado ver. O aprumo dos seus ombros, a inclinação do queixo, o brilho dos olhos, espelhavam um orgulho a que ninguém podia tirar-lhe o direito. Voltei-me para Johnny Lingo e dei com ele a observar-me.

– Achou-a bonita? – perguntou.

– É…é divina. Mas não é a Sarita de Kiniwata. – disse eu. – Sarita só há uma. Talvez esteja diferente do que dizem que ela era em Kiniwata. – Pode crer. Ouvi dizer que ela era feiosa, sem graça. Todos troçam de si por se ter deixado enganar por Sam Karoo. – Acha que oito vacas foi demais? – Passou-lhe um sorriso pelos lábios. – Não. Mas como é que ela pode estar tão diferente? – Já alguma vez pensou – perguntou ele – o que deve significar para uma mulher saber que o marido ficou com ela pelo preço mais baixo possível? E depois. mais tarde, em conversas de mulheres, elas gabam-se do que os maridos deram por elas. Uma diz que foram quatro vacas, outras talvez seis. Que sentirá aquela que foi vendida por uma ou duas? Isso não podia acontecer com a minha Sarita. – Então foi simplesmente para fazer a sua mulher feliz? – Queria ver Sarita feliz, sim. Mas queria mais do que isso. Você diz que ela está diferente. É verdade. Muitas coisas podem mudar numa mulher. Coisas que acontecem dentro delas e coisas cá de fora. Mas o mais importante de tudo é o que ela pensa de si própria. Em Kiniwata, Sarita acreditava que não valia nada. Agora sabe que vale mais do que qualquer outra mulher das ilhas. – Então você queria… – Queria casar com Sarita. Amava-a a ela e a nenhuma outra. – Quer dizer… – Estava quase a perceber. – Isso mesmo – rematou ele com ternura -, queria uma mulher que valesse oito vacas.

Link: O valor de uma esposa

 

Precisam-se de motoristas

Quem Tem o Controle da sua Vida?

Tu, ó Senhor Deus, és tudo o que tenho. O meu futuro está nas Tuas mãos; Tu diriges a minha vida. Salmo 16:5

Lembro-me de uma propaganda de automóveis que dizia: “Na vida existem passageiros e motoristas. Precisa-se de motoristas.” O trocadilho é óbvio, mas acho que foi um bom comercial. Tem muita gente por aí que se deixa conduzir; pessoas que vivem ao sabor das circunstâncias e não tomam nas mãos as rédeas da vida. De fato, o mundo precisa mais de motoristas do que de passageiros.

Há uma música muito popular cuja letra diz assim: “Deixa a vida me levar, vida leva eu…” Triste verdade! Muita gente pensa assim. A vida vai acontecendo, os anos vão passando, e não percebem que já estão ficando idosos e nada de significativo fizeram para melhorar este mundo. A vida não pode levar a gente, nós é que precisamos levar a vida de maneira pensada e cristã!

Conheci a fantástica história de uma garota que, cansada de ser chamada de “menininha ignorante” na casa dos patrões de seus pais, foi trabalhar limpando banheiros em um terminal de ônibus. Todo tempo livre que possuía, lia os jornais que as pessoas jogavam fora.

Começou a entender que a única saída para ela seria o estudo. Passou fome, andou praticamente com a mesma roupa quase um ano, lavava o cabelo com sabão de lavar roupa, mas conseguiu estudar. Hoje, essa menina é professora universitária e, quando ela conta sua história, ainda arranca lágrimas dos olhos de todos que a escutam.

Histórias como essa nos motivam a prosseguir, nos inspiram a agarrar a vida com mais força. A vida não é fácil para ninguém. Para uns é mais dramática, para outros é mais primaveril. Mas todos temos nossas lutas. Hoje, eu não sei em que estado você se encontra, se em dor ou alegria, com depressão ou esperança. Seja qual for sua situação, tome o controle da sua vida! Você é motorista e não passageiro. Acredite nisso! Ao lado de Jesus, você pode ser o que quiser. Deus nos dá forças para isso! É hora de acreditar que é possível. Afinal de contas, quem tem o controle da sua vida? Seus amigos? Sua opinião é formada pelo que a maioria pensa? Ou você pensa por si mesmo, ouve conselhos, opiniões, e depois analisa tudo à luz da Bíblia? Você tem tudo para ser motorista. Mas, se preferir, pode sentar no último banco e ver a vida passar por você. Tenho certeza de que não é isso o que você quer. Então, mãos à obra e boa viagem, motorista!

Inspiração Juvenil 2011 – 20 de fevereiro

Ajudar os outros

Eu trouxe esse texto da Fundação para um Mundo Melhor para nos ajudar a refletir sobre a importância de ser gentil com as pessoas, ajudá-las nas dificuldades…  Aprecie:

Era uma casa maravilhosa. Minha esposa e eu ficamos emocionados quando a encontramos. Depois de morar cinco anos em um apartamento pequeno, e com um bebê a caminho, era hora de finalmente termos uma casa com um jardim de verdade. Passamos a manhã carregando o caminhão alugado para a mudança, e fazendo a limpeza do apartamento. Depois disso, eu teria preferido descansar, mas sabia que só tinha algumas horas para descarregar a mudança em nosso novo lar e devolver o caminhão, evitando, assim, pagar outro dia de aluguel. Dei uma ré no caminhão na entrada da nova casa, e levei para dentro as primeiras caixas. Não sabia como ia conseguir tirar tudo aquilo do caminhão antes das cinco da tarde. Quando saía penosamente pela porta para buscar a nova carga de caixas, quase fui atropelado por uma cadeira que se movia rapidamente. Junto a ela se encontrava um adolescente que se desmanchou em desculpas. “Desculpe” – me disse- “Não tinha a intenção de bater no senhor. “Vi que sua esposa está grávida, e pensei que talvez precisassem de ajuda.” Nesse momento notei uma fila de caixas se movendo para a casa, todas transportadas por vizinhos sorridentes. Minha esposa começou a movimentar-se por todos os lugares, dirigindo o trânsito. Só tive de transportar umas quatro cargas, e em menos de uma hora, o caminhão estava vazio. Definitivamente tínhamos encontrado a casa de nossos sonhos.

Já falei sobre a Fundação para um Mundo Melhor aqui.

Lições de vida

Regina Brett é colunista de um jornal em Cleveland, Ohio. Tem 53 anos e não 90, como muitos divulgaram na net. Já teve câncer de mama e está curada, então escreveu essas maravilhosas lições de vida que compartilho com vocês.

1. A vida não é justa, mas ainda é boa.

2. Quando estiver em dúvida, apenas dê o próximo pequeno passo.

3. A vida é muito curta para perdermos tempo odiando alguém.

4. Seu trabalho não vai cuidar de você quando você adoecer. Seus amigos e seus pais vão. Mantenha contato.

5. Pague suas faturas de cartão de crédito todo mês.

6. Você não tem que vencer todo argumento. Concorde para discordar.

7. Chore com alguém. É mais curador do que chorar sozinho.

8. Está tudo bem em ficar bravo com Deus. Ele aguenta.

9. Poupe para a aposentadoria, começando com seu primeiro salário.

10. Quando se trata de chocolate, resistência é em vão.

11. Sele a paz com seu passado, para que ele não estrague seu presente.

12. Está tudo bem em seus filhos te verem chorar.

13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que se trata a jornada deles.

14. Se um relacionamento tem que ser um segredo, você não deveria estar nele.

15. Tudo pode mudar num piscar de olhos; mas não se preocupe, Deus nunca pisca.

16. Respire bem fundo. Isso acalma a mente.

17. Desfaça-se de tudo o que não é útil, bonito e prazeroso.

18. O que não te mata, realmente te torna mais forte.

19. Nunca é tarde demais para se ter uma infância feliz. Mas a segunda só depende de você e mais ninguém.

20. Quando se trata de ir atrás do que você ama na vida, não aceite “não” como resposta.

21. Acenda velas, coloque os lençóis bonitos, use a lingerie elegante. Não guarde para uma ocasião especial. Hoje é especial.

22. Prepare-se bastante; depois, se deixe levar pela maré…

23. Seja excêntrico agora, não espere ficar velho para usar roxo.

24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.

25. Ninguém é responsável pela sua felicidade, além de você.

26. Encare cada “chamado” desastre com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?

27. Sempre escolha a vida.

28. Perdoe tudo de todos.

29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.

30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo.

31. Indepedentemente de a situação ser boa ou ruim, irá mudar.

32. Não se leve tão a sério. Ninguém mais leva…

33. Acredite em milagres.

34. Deus te ama por causa de quem Ele é, não pelo que você fez ou deixou de fazer.

35. Não faça auditoria de sua vida. Apareça e faça o melhor dela agora.

36. Envelhecer é melhor do que morrer jovem.

37. Seus filhos só têm uma infância.

38. Tudo o que realmente importa, no final, é que você amou.

39. Vá para a rua todo dia. Milagres estão esperando em todos os lugares.

40. Se todos jogássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos os de todo mundo, pegaríamos os nossos de volta.

41. Inveja é perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.

42. O melhor está por vir.

43. Não importa como você se sinta, levante, se vista e apareça.

44. Produza.

45. A vida não vem embrulhada em um laço, mas ainda é um presente.

Via My Notebook

Quando me amei de verdade…

feliz

Imagem do blog Minhas Mensagens para Reflexão

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome… Autoestima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades. Hoje sei que isso é… Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de… Amadurecimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é… Respeito.

Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável… Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama… Amor-próprio.

Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é… Simplicidade.

Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes. Hoje descobri a… Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é… Plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Tudo isso é… Saber viver!!!

Charles Chaplin

Educação: diferença entre 1969 e 2009

education

Recebi essa imagem por e-mail com o seguinte comentário: 

“Todo mundo  ‘pensando’ em deixar um planeta melhor para nossos  filhos…  Quando é que pensarão em deixar filhos melhores para o nosso planeta?”

Não julgue!

 10533g

Hoje minha filha Kimberly leu pra mim uma pequena história retirada do livro Conversinhas com Deus, escrito por Sueli Ferreira de Oliveira e ilustrado por Marta Irokawa (as ilustrações mais fofas que já vi). É um devocional para crianças, publicado pela Casa Publicadora Brasileira.

Festa na casa da Alice

Porque é que você vê o cisco no olho do seu irmão e não repara na trave de madeira que está no seu próprio olho? Mateus 7:3

Quando comemos fora, eu e um amigo temos um código. É desagradável falar com alface no dente. Então, se um de nós estiver com um dente sujo, o outro fala que o primeiro vai à festa da Alice. Não existe Alice e não há festa. É apenas uma maneira discreta de avisar que o dente precisa ser limpo rapidinho. Um dia, voltando de um restaurante, ele me olhou e disse:

– Sabia que hoje você vai à festa na casa da Alice?

Mas, ao ele me falar isso, notei que também havia um pedaço de alface em seu dente, e era dos grandes. Então respondi:

-Você também vai. E vai ser uma festa de arromba!

Caímos na gargalhada! O que aconteceu entre nós foi divertido; mas não é nada divertido apontar os erros dos outros quando você mesmo comete erros de sobra. Julgar as pessoas é um trabalho para Deus. Não se preocupe em fazer isso.

É muito fácil mesmo olhar para as falhas dos outros e ficar chocado como se nunca se houvesse cometido um erro. E pior, fazendo coisas piores do que aquelas que o outro faz. É isso que a Bíblia diz: “Porque é que você vê o cisco no olho do seu irmão e não repara na trave de madeira que há em seu próprio olho?” Uau! Isso é muito forte e serve pra mim. Quantos são injustos por julgarem os erros dos outros e escondem coisas piores em seu coração. Além de tudo, ninguém, a não ser Deus, conhece o íntimo das pessoas e sabe da sinceridade ou da falsidade delas. Só Ele, porque “… o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração.” I Samuel 16:7

Kim, obrigada pela historinha linda e por haver digitado pra mim…

Humildade

A humildade é de certo modo uma virtude enganosa. Às vezes você pensa que a possui, e não a possui, ou acha que não a tem, e tem. Já ouviu a história do menino que recebeu o distintivo de “O Mais Humilde”, e este lhe foi tirado porque ele o usou?

Trecho do livro Aliviando a Bagagem, de Max Lucado.

Hoje é Natal

Eu Sou o Que Sou

Disse Deus a Moisés: Eu Sou o Que Sou. Êxodo 3:14

“Eu Sou o Que Sou”, foram as palavras pronunciadas no meio da sarça que ardia, mas não se consumia. Foram proferidas pelo Anjo da aliança, o “Eu Sou o Que Sou”, a Moisés, dando início ao processo que culminou com a libertação do povo de Israel do Egito, conduzindo-o com mão forte para a Terra Prometida.

Em João 8:58, Jesus repetiu Sua identidade, dizendo: “Antes que Abraão existisse, Eu Sou.” Com essa declaração, Jesus estava Se identificando como o Deus do Antigo Testamento e reivindicando Sua divindade absoluta como Filho de Deus.

“Eu Sou o Que Sou” – Para Ele não há passado e nem futuro. Ele vive num eterno e imutável presente. Antes que existisse o tempo Ele já existia. Se houvesse um momento no qual Sua existência começasse, o Seu nome seria: Eu Sou o Que Não Era. Se fosse possível um momento em que findasse a Sua existência, Seu nome seria: Eu Sou o Que Não Será. Entretanto, como Ele é de Eternidade a Eternidade, o Seu nome é: “Eu Sou o Que Sou”, isto é, Aquele que foi sempre, que é sempre e que será sempre.

Hoje é Natal, ocasião muito oportuna para fixarmos nossa atenção na manjedoura de Belém. Ali está deitada uma Criancinha, o Primogênito de uma frágil mulher. Pensemos bem, Esse Menino é o Eterno! Com que fim sucedeu este milagre dos milagres? Por que Se tornou o Senhor da excelsa glória e da Eternidade, um Menino do mundo temporal? Por causa de Seu amor eterno!

Jesus Se humilhou para salvar miseráveis pecadores como eu e você. O Pai O prometeu lá no Éden, os profetas O predisseram, os símbolos mosaicos O indicaram, um anjo O anunciou a Maria, os pastores ouviram os cânticos da anunciação naquela memorável noite de Natal; a fé O vê e os resgatados de todas as eras alegram-se na Sua salvação.

Que assombrosa humildade! Somente um amor eterno poderia motivar Alguém a enfrentar o desprezo de seres humanos e a mergulhar em sua mais profunda miséria. Para Jesus, a Eternidade futura seria vazia se Seu povo não pudesse participar de Sua glória. Por isso, Ele Se humilhou, nasceu numa estrebaria e morreu numa cruz para que os pobres e condenados habitantes da Terra pudessem elevar-se à vida imortal, nos Céus, pelos séculos dos séculos.

Feliz rebanho de Deus! O “Eu Sou o Que Sou” ama Sua Igreja e a conduzirá também com mão forte, a salvo, para a Pátria celestial! Glória a Deus nas alturas! Feliz Natal!

REFLEXÃO: Por tão grande salvação, “alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, alegrai-vos” (Fp 4:4).

O encontro

Davi era um rapaz bastante estudioso e aplicado. O problema é que era muito tímido. Por isso, quase não saia com as meninas. Querendo dar uma ajudinha, um amigo lhe disse:
– Davi, já combinei para o domingo à noite um encontro seu com uma garota. Vá firme e não se preocupe. Tudo dará certo.
– Como assim, um encontro? Quem é a menina? – perguntou Davi.
Enão o amigo explicou que, na verdade, a garota era prima dele. Ela se chamava Doris, e era muito bonita. Davi não estava animado com a idéia.
– Não se preocupe, disse o amigo. – Doris é maravilhosa. Confie em mim. Mas se você não gostar dela, vou dar-lhe uma dica de como cair fora de um encontro. Eu faço assim: vou até à porta da frente da casa da menina buscá-la. Quando ela abre a porta, dou uma olhada geral. Se gosto do visual, tudo bem! Mas se não me agrada, ou é feia, finjo estar atacado de asma. E ponho a minha mão na garganta assim e: Aaaahhhhhhhgggggg! Faço como se estivesse com falta de ar. A menina pergunta: “O que foi?” E eu respondo: “”É minha asma.” Assim, acabamos cancelando o encontro. Não é simples?
– Bom, não sei… Mas tudo bem. Parece fácil. Farei como você disse.
No domingo à noite, Davi foi buscar Doris em sua casa. Bateu à porta e ela veio atender. Ele deu uma boa olhada e percebeu que o amigo tinha razão. Ela era linda! Davi ficou ali parado, sem saber ao certo o que dizer. Enquanto isso, ela também o olhou de cima a baixo. Para surpresa do rapaz, ela fez: Aaaahhhhhhhgggggg!
A dor da rejeição é mesmo difícil de ser suportada. Nesse mundo, muitos a sentem por não serem bonitos, fortes, ricos, legais ou outros motivos mais.
Jesus disse: “De modo nenhum jogarei fora aqueles que vierem a mim.” João 6:37. Quando viveu aqui, o Salvador sofreu a dolorosa rejeição das pessoas. E o pior é que muitos, ainda hoje, O rejeitam. Contudo, o Seu amor nos alcança como somos, sem o perigo de sermos rejeitados. Ele tem um jeito especial de nos olhar e nos achar lindos.

Extraído da Inspiração Juvenil 2007, de Ani Köhler Bravo.

Minha filha leu essa história e gostou muito. Ei, Van, essa é boa!

Pessoas invisíveis ou como minha casa foi para o lixo

Eu comprei um pote de margarina e descobri que poderia concorrer a uma casa com cozinha, um carro com seguro, uma viagem pra Disney com a família e mais 30 mil reais. Já pensou? Fiz tudo certinho pra participar da promoção, então eu teria que guardar a embalagem pra comprovar o código caso fosse sorteada. Mas ela foi para o lixo! Já era! O carro do lixo passa aqui na minha rua às segundas, quartas e sextas-feiras à noite e fiquei pensando que os rapazes que jogaram o meu lixo no carro nem desconfiam que podem ter levado meu prêmio. Só pensei nos garis por causa desse episódio, aliás poucos pensam nos garis como pessoas, talvez enxerguemos apenas a função – é um caso de invisibilidade pública. Um psicólogo da USP,  Fernando Braga da Costa, escreveu sua dissertação de mestrado baseando-se nessa idéia. Vestiu-se como gari para trabalhar na própria universidade em que estuda e fez descobertas incríveis ao VER realmente como vivem e que os varredores são seres humanos. Infelizmente quase ninguém os vê assim. Segundo Fernando, “É como se a pessoa passasse por um poste, por uma árvore”. Vale a pena refletir.