Ótimos links pra começar a semana 6

Capa de pufe de crochê

Luminária de cilindro de papelão

Estante feita com tábuas de caixa de feira

Ovelhinha feita de cotonetes e pregador de roupa com molde

Caixinha de fruta reaproveitada pintada com tinta de quadro negro

Outro quadro negro

Cadeiras coloridas com almofadas supercoloridas

Anúncios

Grampeador-crocodilo de biscuit

 Faz um tempinho que mostrei aqui esse grampeador que encontrei no Flickr. Fiquei muito apaixonada por ele e finalmente fiz um pra mim. Ficou um pouco mais gordinho, mas uma graça. Depois de seco minha filha Kim passou cola com um pincel pra proteger.

Histórias bíblicas

Tenho confeccionado, junto com minha filhota Kimkim, personagens de histórias bíblicas para usar na igreja e na escola e hoje vou mostrar. Minha inspiração é a revista do Professor Sassá especial histórias bíblicas, que ensina passo a passo a fazer personagens de 15 histórias bíblicas utilizando material como caixas de sabão em pó, embalagem de amaciante, de iogurte, desodorante, biscuit etc. As histórias fazem o maior sucesso entre as crianças.

Pra começar, Davi e Golias. Para Davi, usamos garrafinha de iogurte e eva. O rosto foi pintado com tinta acrílica brilhante. O corpo do gigante é de embalagem de amaciante com as roupas de eva e a cabeça de latinha de ervilha pintada com tinta acrílica, inclusive boca e dentes. Lança e espada feitas com palito de churrasco e eva.

Agora Zaqueu. A árvore foi feita com cone de linha pintado, galhos secos e eva. O Zaqueu fizemos com potinho de iogurte e eva e as pernas de fios de silicone que são presos nos pés.

Outra que fizemos foi a de José e seus irmãos, todos de cilindro de papel higiênico encapado com sulfite. Eu usei papel cartão branco e não encapei. O rosto é de eva e as roupas de papel Filipinho. A túnica de José são tirinhas de papel de várias cores. Pintei os rostos e cabelos com caneta pra retroprojetor. O de cabelo e barba grisalhos é o papai Jacó. As crianças amam essa história porque dá pra citar os nomes de todos os irmãos enquanto são tirados da caixa. Atenção total.

Estamos fazendo agora Jonas e o Grande Peixe, de caixa de sabão em pó e caixinha de batom e a Última Ceia, com todos os personagens em biscuit. Linda! Assim que terminar mostro aqui.

Para comprar a revista, clique aqui, custa R$ 7,90.

Ótimos links para começar a semana 5

Luminária IQ light – com molde e passo a passo

Portarretrato feito com garrafa pet e EVA

Coisinhas fofas pra decorar a casa

Sapatilha renovada com babado

Barra magnética para guardar os carrinhos e decorar o quarto dos meninos

Clipes e botões

Quadrinhos feitos com mandala de crochê, tela, papel de scrapbook, tinta…

Luminárias de taças com molde da cúpula e vídeo do passo a passo.

Oito vacas por uma noiva

Li essa história há muitos anos, acho que há mais de 25, numa Revista Seleções antiga que tínhamos em casa. Marcou minha vida e há muito tempo procurava pra compartilhar. Ela fala do valor que um homem dá a uma mulher e de como isso transforma-a por dentro e por fora, enchendo a vida dessa mulher de alegria, felicidade, bem-estar… Se um homem faz isso por uma mulher, ele não seria feliz também? Leia com atenção:

Um dia, meti-me num barco e fui visitar Kiniwata, uma ilha no Pacífico. Levava comigo um bloco de notas, que, no regresso, vinha recheado de apontamentos sobre a fauna e a flora, os costume e os trajes indígenas. Mas de todas as anotações que fiz, a única que ainda hoje me interessa é a que diz: “Johnny Lingo deu oito vacas ao pai de Sarita.” Podia rasgá-la pois sei-a de cor e salteada. A ponto de saltar-me de imediato à memória sempre que vejo uma mulher depreciar o marido ou uma esposa ficar-se perante o desprezo do marido. A essas mulheres gostaria de poder dizer: “Era bom que soubessem porque é que Johnny Lingo pagou oito vacas pela mulher.” Johnny Lingo não era bem o nome dele. Mas era assim que lhe chamava Shenkin, o dono da pensão de Kiniwata. Shenkin era de Chicago e tinha a mania de americanizar os nomes dos ilhéus. Mas, a propósito das mais diversas coisas, muita gente referia, invariavelmente, o nome de Johnny. Se eu quisesse passar uns dias na ilha de Nurabandi, ali ao lado, Johnny Lingo era a pessoa para me hospedar em sua casa. Se quisesse pescar, só ele saberia indicar-me o local para o peixe morder a isca. Se era pérolas que procurava, ele me indicaria onde fazer uma boa compra. Toda a gente em Kiniwata tinha por Johnny Lingo uma grande consideração. No entanto, sempre que falavam dele, não podiam deixar de sorrir com um sorriso ligeiramente trocista. – Pergunte por Johnny Lingo, peça-lhe que a ajude a encontrar o que procura e deixe que seja ele a discutir o preço – aconselhou Shenkin. – Ele tem jeito para o negócio. – Johnny Lingo! – repetiu com uma gargalhada um rapaz sentado ali perto. – Mas afinal que é que se passa? – perguntei. – Toda a gente me diz para procurar Johnny Lingo e depois desatam a rir. Onde é que está a piada? – Oh!, as pessoas gostam de rir – disse Shenkin, encolhendo os ombros. – Johnny é o rapaz mais esperto e mais forte das ilhas. E, para a idade que tem, o mais rico. – Mas se ele tem tudo isso, qual é o motivo da risota? – É por causa de uma coisa. Há cinco meses, no festival do Outono, Johnny veio a Kiniwata e arranjou uma mulher. Pagou oito vacas ao pai dela! Eu já conhecia suficientemente os costumes da ilha para não ficar espantada. Duas ou três vacas davam para comprar uma mulher assim, assim, quatro ou cinco para uma que se visse. – Meu Deus! – disse eu. – Oito vacas! Ela deve ser de se lhe tirar o chapéu. – Não é propriamente feia – admitiu ele sorrindo. – Com boa vontade, o mais que se pode dizer é que Sarita é feiosa. O pai, Sam Karoo, tinha receio que ela ficasse solteira. – E conseguiu que lhe dessem oito vacas por ela? Não é possível! – Nunca ninguém pagou isso. – E ainda dizem que a mulher de Johnny é feiosa? – Eu disse que, com boa vontade, podemos dizer que é feiosa. Ela era escanzelada. Caminhava de ombros arqueados e de cabeça inclinada. Tinha medo da própria sombra. – Bem – disse eu – isso só prova que o amor não tem preço. – É bem verdade – concordou o homem. – E é por isso que os aldeões se riem quando se fala de Johnny. Sentem-se vingados por o negociante mais astuto das ilhas ter sido enganado pelo velho e simplório Sam Karoo. – Enganado, como? – Ninguém sabe e todos se interrogam. Os primos de Sam aconselharam-no a pedir três vacas e. depois, ficar-se por duas até ter a certeza de que Johnny lhe pagaria apenas uma. Então Johnny foi ter com Sam Karoo e disse: “Pai de Sarita, ofereço-lhe oito vacas pela sua filha.” Oito vacas – murmurei. – Gostava de conhecer esse tal Johnny Lingo. Eu queria comprar peixe. E também pérolas. Por isso, na tarde do dia seguinte fui até Nurabandi. Reparei que, quando perguntava o caminho para a casa de Johnny, o seu nome não provocava sorrisos maliciosos nos habitantes da ilha. E quando conheci o jovem, esbelto e formal, que, com a maior educação, me convidou para sua casa, fiquei contente por ele ser respeitado pela gente da sua ilha. Sentámo-nos e conversamos. Então ele perguntou: – Vem de Kiniwata? – Venho. – Falam de mim lá na ilha? – Dizem que só você pode ajudar-me a encontrar tudo o que eu quiser. Ele sorriu delicadamente. – A minha mulher é de Kiniwata. – Eu sei. – Eles falam dela? – Às vezes. – E que é que dizem? – Bom, apenas… – A pergunta apanhou-me desprevenida. – Contaram-me que se casaram por alturas do festival. – Mais nada? A curva das suas sobrancelhas diziam-me que ele sabia que tinha de haver mais. – Também dizem que o casamento foi acordado em oito vacas. – Fiz uma pausa. – Ainda hoje não sabem porquê. – Eles dizem isso? – Os seus olhos iluminaram-se de prazer. – Toda a gente em Kiniwata sabe das oito vacas? Fiz que sim com a cabeça. – E em Nurabandi também sabem – disse, inchando o peito de satisfação. – Daqui para a frente, sempre que se falar de acordos nupciais, as pessoas hão de lembrar-se de que Johnny Lingo pagou oito vacas por Sarita. Então é essa a resposta, pensei: vaidade. Foi então que a vi. Ela entrou na sala para pôr flores na mesa. Demorou-se um momento para sorrir ao jovem que estava ao meu lado. E voltou a sair, apressada. Era a mulher mais bela que me fora dado ver. O aprumo dos seus ombros, a inclinação do queixo, o brilho dos olhos, espelhavam um orgulho a que ninguém podia tirar-lhe o direito. Voltei-me para Johnny Lingo e dei com ele a observar-me.

– Achou-a bonita? – perguntou.

– É…é divina. Mas não é a Sarita de Kiniwata. – disse eu. – Sarita só há uma. Talvez esteja diferente do que dizem que ela era em Kiniwata. – Pode crer. Ouvi dizer que ela era feiosa, sem graça. Todos troçam de si por se ter deixado enganar por Sam Karoo. – Acha que oito vacas foi demais? – Passou-lhe um sorriso pelos lábios. – Não. Mas como é que ela pode estar tão diferente? – Já alguma vez pensou – perguntou ele – o que deve significar para uma mulher saber que o marido ficou com ela pelo preço mais baixo possível? E depois. mais tarde, em conversas de mulheres, elas gabam-se do que os maridos deram por elas. Uma diz que foram quatro vacas, outras talvez seis. Que sentirá aquela que foi vendida por uma ou duas? Isso não podia acontecer com a minha Sarita. – Então foi simplesmente para fazer a sua mulher feliz? – Queria ver Sarita feliz, sim. Mas queria mais do que isso. Você diz que ela está diferente. É verdade. Muitas coisas podem mudar numa mulher. Coisas que acontecem dentro delas e coisas cá de fora. Mas o mais importante de tudo é o que ela pensa de si própria. Em Kiniwata, Sarita acreditava que não valia nada. Agora sabe que vale mais do que qualquer outra mulher das ilhas. – Então você queria… – Queria casar com Sarita. Amava-a a ela e a nenhuma outra. – Quer dizer… – Estava quase a perceber. – Isso mesmo – rematou ele com ternura -, queria uma mulher que valesse oito vacas.

Link: O valor de uma esposa

 

Precisam-se de motoristas

Quem Tem o Controle da sua Vida?

Tu, ó Senhor Deus, és tudo o que tenho. O meu futuro está nas Tuas mãos; Tu diriges a minha vida. Salmo 16:5

Lembro-me de uma propaganda de automóveis que dizia: “Na vida existem passageiros e motoristas. Precisa-se de motoristas.” O trocadilho é óbvio, mas acho que foi um bom comercial. Tem muita gente por aí que se deixa conduzir; pessoas que vivem ao sabor das circunstâncias e não tomam nas mãos as rédeas da vida. De fato, o mundo precisa mais de motoristas do que de passageiros.

Há uma música muito popular cuja letra diz assim: “Deixa a vida me levar, vida leva eu…” Triste verdade! Muita gente pensa assim. A vida vai acontecendo, os anos vão passando, e não percebem que já estão ficando idosos e nada de significativo fizeram para melhorar este mundo. A vida não pode levar a gente, nós é que precisamos levar a vida de maneira pensada e cristã!

Conheci a fantástica história de uma garota que, cansada de ser chamada de “menininha ignorante” na casa dos patrões de seus pais, foi trabalhar limpando banheiros em um terminal de ônibus. Todo tempo livre que possuía, lia os jornais que as pessoas jogavam fora.

Começou a entender que a única saída para ela seria o estudo. Passou fome, andou praticamente com a mesma roupa quase um ano, lavava o cabelo com sabão de lavar roupa, mas conseguiu estudar. Hoje, essa menina é professora universitária e, quando ela conta sua história, ainda arranca lágrimas dos olhos de todos que a escutam.

Histórias como essa nos motivam a prosseguir, nos inspiram a agarrar a vida com mais força. A vida não é fácil para ninguém. Para uns é mais dramática, para outros é mais primaveril. Mas todos temos nossas lutas. Hoje, eu não sei em que estado você se encontra, se em dor ou alegria, com depressão ou esperança. Seja qual for sua situação, tome o controle da sua vida! Você é motorista e não passageiro. Acredite nisso! Ao lado de Jesus, você pode ser o que quiser. Deus nos dá forças para isso! É hora de acreditar que é possível. Afinal de contas, quem tem o controle da sua vida? Seus amigos? Sua opinião é formada pelo que a maioria pensa? Ou você pensa por si mesmo, ouve conselhos, opiniões, e depois analisa tudo à luz da Bíblia? Você tem tudo para ser motorista. Mas, se preferir, pode sentar no último banco e ver a vida passar por você. Tenho certeza de que não é isso o que você quer. Então, mãos à obra e boa viagem, motorista!

Inspiração Juvenil 2011 – 20 de fevereiro

Antes, potes de azeitona…

De vidros de conservas eles não têm mais nada, agora são coloridos vasinhos para enfeitar seu lar.

Primeiro, os vidros são lavados com água de sabão morna, pra retirar os rótulos. Seca-se bem, então se derrama tinta própria para vidro dentro dos frascos. Deixar escorrer e secar. Depois é só colocar flores bonitas nos novos vasinhos.

Link: Pretty Paint

Talvez você goste mais desses vasinhos azuis.

Cradles of Eminence – Achei!

Na verdade não fui eu que achei, foi meu maridinho!!! Ele viu que eu tava querendo muito o livro e resolveu procurar. Pediu para os colegas de trabalho ajudarem e um deles encontrou numa livraria aqui no Brasil. Bom, já ganhei o livro de aniversário!!! Era pra ser surpresa, mas ele teve que contar, com medo que eu comprasse também. Olha só: custou R$ 57,14 + frete aqui pra Vitória, saiu por R$ 61,00. E como é importado, talvez demore mais de seis semanas pra chegar. Informações : brochura, 456 páginas, 2ª edição – 2004. Já ia esquecendo o mais importante, o link: Livraria Cultura.

Agradeço a todo mundo que ajudou a procurar.



De volta para o futuro

No projeto Back to the future, Irina Werning fotografa pessoas reproduzindo todas as características de fotos antigas. O resultado é surpreendente. Não é interessante? É a mesma ideia que publiquei aqui em 2008, o projeto Young Me/Now Me, em que as pessoas mesmas produzem suas fotos e enviam para o site. Minha família tem muitas fotos antigas, quando a gente se encontrar, seria uma boa ideia voltar para o futuro também…

Vi no Saber é Bom Demais.

Berços da eminência: infância de mais de 700 homens e mulheres famosos

Preciso muito desse livro. Se alguém tiver notícias de como adquiri-lo, por favor me informe. Cradles of Eminence, de Victor e Mildred Goertzel é a biografia de mais de 700 personagens que passaram por grandes adversidades na infância e, apesar de tudo, alcançaram grande sucesso. Foi escrito em 1962 e atualizado em 2004.

Dica da leitora Brenna Falcão: usado, está à venda no Amazon.com. Preço: 500 dólares. Será que entendi direito, gente???

Besouros pra fazer com as crianças

Besourinhos de gesso pra fazer com as crianças em casa ou na escola, depois de uma gostosa aula de ciências sobre os invertebrados. Amei!

Depois é só pintar com tinta guache.

Link: Rainy Day Bugging Out !!!

Via Vila do Artesão, onde está o passo a passo em português.

Porta-chaves

Eu tinha que publicar esse passo a passo aqui, porque preciso dele pra fazer um porta-chaves pra minha casa.

Link: DIY key holder

Tem ainda o cabide de parede decupado do SuperZiper que é coberto com tecido e também é muito fácil de fazer.

Galerias

Quadrinhos fofos e inspiradores para as fotos da família.

Link: Pottery Barn Kids

No blog do Fernando Rigotti há dicas preciosas que ele retirou do livro Arquitetura de Interiores e Decoração, de Clarice Mancuso que são regras básicas para a colocação de quadros em paredes. Eu aproveito para reproduzir:

  • Dois ou mais quadros, em uma mesma parede, devem ser alinhados pela base;
  • Quadros em um mesmo ambiente, estando em paredes diferentes, devem ter seu alinhamento na parte superior;
  • Quando o quadro ou os quadros estiverem colocados sobre algum móvel, devem distanciar deste trinta centímetros. Nesta regra, a relação da proporção deve estar presente, quadros muito grande às vezes precisam de maior distância;
  • Quando tivermos quadros grandes e pequenos, em uma mesma parede, o menor deve vir sempre abaixo do maior;
  • Paredes rentagulares pedem um quadro ou grupo de quadros na mesma forma.

Para mais dicas, assista esse vídeo e leia essa reportagem. Tem mais essas orientações do Dicas de Mulher. E pra tirar as dúvidas que restaram, uma entrevista com o Gustavo Calazans.

Mais um pufe muito fofo

Você não vai acreditar, mas esse pufe tem fotos passo a passo explicando como se faz. Está em inglês, mas as fotos dizem tudo. É só clicar em qualquer uma das imagens abaixo.

 

Já mostrei outros pufes aqui. Olha só: Aprenda a fazer um pufe com garrafas pet e Faça um confortável pufe de tecido. Aliás, os pufes que estão na revista Decorar Mais por Menos deste mês são muito lindos e não servem só pra sentar.

Tomates secos no microondas

Ingredientes: 

  • Tomates sem sementes
  • Sal
  • Açúcar
  • lho picado
  • Azeite
  • Folhas de Louro
  • Pimenta do reino branca moída

Veja ao medidas no vídeo. Esta receita rápida e fácil encontrei no Cyber Cook. São apenas 25 minutos pra conseguir tomates secos deliciosos.

Em outra receita , os tomates vão primeiro ao microondas, para acelerar a desidratação e em seguida para o forno convencional. Veja essa receita do Tudo Gostoso.

Plantinhas em xícaras

Plantinhas da horta, medicinais ou flores, ficam um charme em xícaras e canecas. Clique na imagem pra abrir o link.

Talvez você prefira encapar seus vasos de cerâmica com tecido. Aula em vídeo do Canal da TVcasa. Fica um charme!